Labels

Sunday, June 11, 2017

A MÚMIA (The Mummy) de Alex Kurtzman

A História: O túmulo de uma antiga e malvada princesa egípcia é descoberto por acaso e levado para Londres. Aí, ela depressa volta à vida, decidida a ajudar o terrível deus do mal a encarnar no corpo de um homem; o seu alvo é o Nick Morton, o homem que descobriu o seu túmulo.

Os Actores: Tom Cruise, naquele que é capaz de ser um dos seus personagens mais parvos da sua carreira, teve a excelente ideia de não levar nada disto a sério e a dar-se ao gozo. Como o seu amigo e parceiro de aventuras, Jake Johnson fez o mesmo. Já as meninas de serviço, Sofia Boutella como a sexy princesa maldita e Annabelle Wallis como a sonsa arqueóloga, não seguiram o seu exemplo e parecem não se divertir tanto. Por fim, temos um exagerado Russell Crowe no papel duplo de Dr. Jekyll e Mr. Hyde (confessem que não estavam à espera desta, eu não estava).

O Filme: Sou um fã incondicional do THE MUMMY de 1999 com Brendan Fraser, que achei super-divertido e emocionante. Esta nova versão, também produzida pela Universal, não é um remake desse filme e tão pouco do clássico dos anos 30 interpretado por Boris Karloff. O que temos é um filme de aventuras, que não se leva muito a sério e que, curiosamente, tem mais a ver com o género de terror do que aquilo que esperava. Houve dois filmes que me vieram imediatamente à cabeça, o LIFEFORCE do Tobe Hooper, com a múmia a sugar a vida das suas vítimas, e o LA NOCHE DEL TERROR CIEGO de Armando de Ossorio, com os seus zombies templários. A falta de suspense e de emoção é compensada com bons efeitos especiais e pelo divertimento despretensioso que o realizador Alex Kurtzman imprime ao filme. O pior é mesmo a presença de Jekylll/Hyde, que parece metida a martelo, mas que talvez venha a ter alguma justificação se a Universal for para a frente com o seu projecto Dark Universe (onde pretendem dar vida às suas personagens clássicas).

Classificação: 6 (de 1 a 10)














































Thursday, June 8, 2017

MULHER-MARAVILHA (Wonder Woman) de Patty Jenkins

A História: Diana, a princesa das Amazonas, vive numa ilha escondida dos olhos do mundo. Um dia um piloto cai na ilha e ela salva-o. Este fala-lhe da guerra que assola o mundo e ela decide acompanhá-lo para o ajudar a acabar com a guerra.

Os Actores: Gal Gadot não é uma actriz muito expressiva, mas tem uma forte presença cinematográfica, para já não falar de ser uma mulher atraente, com uma beleza algo exótica que assente bem numa princesa das Amazonas. A seu lado, Chris Pine, com o seu ar de bebé chorão, parece não levar nada disto muito a sério, o que é uma mais valia partilhada por mais membros do elenco. Como um dos maus da fita, Danny Huston é um bocado exagerado, mas isso não destoa do seu personagem. Connie Nielsen e Robin Wright estão bem como duas “super-duronas” amazonas.

O Filme: Quem diria que a realizadora de MONSTER (o filme que deu o Óscar a Charlize Theron), Patty Jenkins, poderia levar esta WONDER WOMAN a bom porto? Mas a verdade é que o filme segue-se com interesse, apesar da ausência de suspense e de ser previsível, e até consegui seguir empatia pela sua heroína. O facto da acção se passar durante a Primeira Guerra Mundial dá-lhe um certo encanto e, se não fosse o exagerado festival de efeitos especiais do final, diria que estava ao nível do primeiro CAPTAIN AMERICA, que é para mim o melhor filme desta série de super-heróis que tem invadido os cinemas nos últimos anos. Voltando aos efeitos especiais, são de boa qualidade e as amazonas são verdadeiras ginastas, o que ajuda ao gozo que o filme nos dá nos seus melhores momentos. É divertido e, apesar de durar mais de duas horas, não é chato.

Classificação: 6 (de 1 a 10)